UOL Esporte - Copa 2006UOL Esporte - Copa 2006
UOL BUSCA

12/07/2006 - 15h03

Zidane diz que Materazzi xingou mãe e irmã

Das agências internacionais
Em Paris (França)
O meia francês Zinedine Zidane pediu desculpas nesta quarta-feira pela sua agressão ao zagueiro Marco Materazzi na final da Copa do Mundo. O jogador disse o italiano proferiu insultos a sua mãe e sua irmã e que, por isso, "não se arrepende" da cabeçada.

AFP

Crédito

Zidane afirmou que Materazzi insultou sua mãe e sua irmã

De acordo com Zidane, Materazzi teria dito "palavras muito duras" a respeito de suas familiares.

"Tudo começou com ele puxando minha camisa", contou o atacante, enquanto as cenas do episódio foram mostradas. "Pedi a ele que parasse e brinquei, dizendo que se ele queria tanto a camisa eu a daria a ele no final do jogo", revelou Zidane. "Eu até fui embora quando ele começou a me insultar, mas não me contive."

"Foram coisas muito pessoais que afetavam minha mãe e minha irmã. Quando você escuta uma vez, vai embora. E foi o que fiz. Mas quando ele continuou dizendo, duas, três vezes... As palavras me atingiram no que há de mais profundo. Antes de tudo sou um homem e preferia ter recebido um soco na cara", afirmou.

O jogador da seleção francesa deu uma entrevista para a emissora de TV francesa Canal Plus para esclarecer o ocorrido.

"Não posso lamentar meu gesto porque isso mostraria que ele (Materazzi) teve razão ao dizer tudo aquilo. Não posso, não posso, não posso dizer isso. Não basta punir somente a reação", justificou.

O meia ressaltou que o zagueiro italiano é o principal culpado pelo episódio. "As palavras, às vezes, são mais duras do que os gestos, mas todos prestam atenção apenas à reação. Claro, o que fiz tem de ser punido. Mas se não há uma provocação, não pode haver uma reação. É necessário castigar o verdadeiro culpado e o culpado é quem provocou. Vocês acham que numa final de Copa do Mundo, quando faltam dez minutos para minha aposentadoria, eu faria um gesto desses porque me causa prazer?", enfatizou o meia.

Antes de criticar Materazzi, Zidane fez um mea culpa. "Me desculpo pelas crianças que viram a cena. Meu gesto não é perdoável e, claro, não é algo a se imitar. Quero dizer isso em alto e bom som para os milhões de telespectadores que me assistiram".

"Sempre aceitei todas as críticas, porque considero normais as críticas esportivas. Mas quando o teor deixa o cenário esportivo, é diferente. Não há justificativa."

Questionado sobre uma possível atitude "arrogante" em campo, resposta dada por Materazzi em defesa pela provocação, Zidane desmentiu o italiano.

"Não fiz em nenhum momento um gesto que fosse ofensivo. Na cobrança de pênalti, que muitos consideraram arrogante, só decidi como bateria naquele momento. Eu sabia que estava à frente de um grande goleiro e que, se batesse do mesmo jeito como fiz contra Portugal, ele defenderia. Por isso tentei cobrar de um outro jeito."

Zidane também negou qualquer desentendimento com o técnico Raymond Domenech. O jogador foi lembrado da partida da primeira fase contra a Coréia do Sul, em que foi substituído a poucos minutos do término do jogo e não cumprimentou o treinador ao sair de campo.

"Nunca houve nenhum problema com Domenech. Sempre respeitei todos os jogadores e ainda mais os técnicos. O ambiente entre nós da seleção sempre foi muito bom, apesar do que foi dito", afirmou Zidane.

"A minha reação é muito compreensível dada a situação. Estávamos quase eliminados da Copa do Mundo. Eu estava muito decepcionado, vocês queriam o quê, que eu deixasse o gramado sorrindo, quando sentia o contrário?", indagou.

Na entrevista, Zidane também reafirmou sua aposentadoria. "Não voltarei atrás, pelo menos espero que não... É uma decisão definitiva. Vou descansar e depois partir para uma outra. Talvez jogue como amador ou somente às vezes com os amigos em Marselha".

O francês foi expulso no segundo tempo da prorrogação na final da Copa do Mundo. Na ocasião, a Itália venceu na decisão nos pênaltis e conquistou o tetracampeonato.

O presidente da Fifa Joseph Blatter anunciou horas antes da entrevista de Zidane que o jogador francês poderá perder o prêmio Bola de Ouro que ganhou como melhor jogador desta Copa. De acordo com Blatter, a Fifa tem condições de intervir apesar de o prêmio ser dado por jornalistas.

A entidade também declarou que o francês será investigado por um comitê disciplinar. Na entrevista, o jogador prometeu colaborar e prestar seu depoimento, mas pediu que Materazzi também seja investigado.

Na terça-feira, Materazzi chamou o jogador de "arrogante" e admitiu ter agredido verbalmente o meia francês.

Zidane negou que Materazzi o tenha chamado de "terrorista", como foi noticiado por um grupo anti-racismo de Paris. Como o insulto não foi de teor racista, o resultado da Copa do Mundo não pode ser questionado. O jogador é filho de imigrantes argelinos.

SELEÇÕES